Anonimato em Comunidade – Parte 2

2 Comentários


Havia 2 desfechos possíveis para o dilema vivido pela Blizzard e seu LiveID:

  • Insistir na idéia, implementar o uso de nome e sobrenome reais em seus fóruns, e receber todo o impacto negativo que a medida iria causar, inclusive pelo aspecto litigioso (lembrem-se, é nos EUA), ou
  • Recuar e admitir que o sistema é enormemente impopular, e que a implementação dele seria um tiro no pé.

Eles decidiram pela segunda posição, uma idéia acertada e que certamente será transformada em “veja como ligamos para vocês”. Ouvir seus clientes é importante. Ao contrário do que costuma-se dizer por aí, o cliente nem sempre tem razão: muitas vezes eles pedem coisas impossíveis ou simplesmente indevidas. Mas não se brinca com dados pessoais na Internet de hoje.

J.

Anúncios

Anonimato em Comunidade

2 Comentários


Estou acompanhando um embate que ocorre agora na Blizzard americana sobre o fórum daquela empresa (no ambiente Battle.net) e o anonimato de seus usuários. Quem quiser acompanhar, pode ver o anúncio oficial aqui.

A mudança proposta é que todo mundo que deseje postar algo nos fóruns seja obrigado a usar nome e sobrenome reais para poder fazer isto. Os usernames serão banidos, o máximo que você poderá fazer é ligar o nome de um personagem seu com o seu nome. Desnecessário dizer que a polêmica foi grande, e que houve uma maciça reação contrária a esta medida. Resta ver se a Blizzard irá prosseguir em sua decisão ou vai ouvir a sua comunidade.

É claro que a idéia já está sendo escrachada na Internet, como nesta tirinha muito marota.

Eu nunca implementaria uma medida como esta. Acho que ninguém é obrigado a postar seu nome real na Internet a não ser que deseje isto expressamente. Muitas pessoas não querem vincular o seu hobby (ou vício). Outros temem que o acesso ao nome real possa instigar assédio ou, em casos extremos, violência/pedofilia. Outros são tímidos, e querem se preservar. Outros ainda querem ter esta persona, como uma espécie de roleplay, com a qual ele possa assumir uma posição ou papel diferente do que escolheria na vida real.

O fato é: ninguém deve ser obrigado a se expor sem que haja uma necessidade real. Obrigar todos a postarem sob nome e sobrenome originais parece-me simplesmente a aceitação por parte desta empresa que eles não conseguem moderar seus fóruns, ou que o gasto feito para manter esta moderação é muito alto. De qualquer forma, é um tiro no pé, que vai esvaziar o que uma empresa de games tem de mais precioso: sua comunidade e a sua relação com ela.

O fato é que o ambiente da Internet é muito aberto, e deve permanecer assim. Dados pessoais só devem ser divulgados com expresso consentimento, ou em ambiente restrito, para fins comerciais, oficiais ou legais. As empresas devem sempre facilitar o acesso das pessoas à sua comunidade, e zelar para que este ambiente seja moderado e saudável. Tentar se esquivar desta responsabilidade é um erro. Anonimato não é privilégio na Internet: ele é um direito adquirido, e que precisa estar à disposição das pessoas que frequentam ambientes abertos. Quem gerencia comunidades precisa deixá-las mais acessíveis e amigáveis, e não forçar o bom comportamento de forma artificial. Se seus clientes sentirem confiança e uma presença forte da empresa na comunidade, eles vão se comportar muito bem, sem precisarem ser coagidos a isto.

Qualquer coisa diferente disto é assumir que você desistiu de sua comunidade, e que não está disposto a investir nela.

Não é fácil gerenciar comunidades. Não é fácil relacionar-se com seus clientes em um ambiente tão livre quanto a Internet. Mas é o mínimo que as empresas podem fazer, em respeito aos seus consumidores.

J.

EDIT: Lendo mais sobre o assunto, vi um estudante de Direito da Universidade de Harvard falando que a Blizzard talvez tenha tomado esta atitude por conta de uma lei sul-coreana de 2009 que exige que comentários online feitos em comunidades com mais de 100.000 membros sejam feitos usando o nome real da pessoa.

Esta teoria é absurda. A Blizzard é tão forte mundialmente que ela, sozinha, conseguiu abrir exceções para seus jogos online em certas leis de informática que regem o público de jogos na China, país que normalmente não é conhecido pela sua flexibilidade. Uma lei de outro país, ainda mais regendo comunidades (e não jogos) não iria influenciá-la tanto assim.