Erros de tradução nos perseguem desde o início dos Vídeo Games.

(Após um período de trabalho intenso e em convalescença de uma broncopneumonia que quase me transformou em modelo de passarela para Faculdade de Anatomia, espero manter o ritmo de postagens mais constante agora.)

Tradução é que nem festa de casamento: não importa o quanto você se esforce para fazer o melhor, todo mundo sempre vai achar que foi uma porcaria.

Isto talvez nunca tenha sido tão verdade quanto o inferno vernacular vivido pela poderosa Blizzard quando ela começou a divulgar amostras de seu conteúdo em Português. Primeiro foi a versão de páginas de seu portal em Português, onde era possível descobrir que o famigerado Lich King era, na verdade, o Tinhoso.

Depois, foi o lançamento do Starcraft II, grande título de RTS, cujas escolhas de tradução encontraram bastante reservas (inclusive minhas). Unidades como Endiabrado (Hellion, heh), Vudu (pobre Banshee…), Mammuthus (Pobre Ultralisk), criaram um impacto muito negativo em uma parte considerável da fanbase do jogo.

Eu, como tradutor profissional, não vou entrar neste mérito. Não é possível traduzir somente baseado em emoção ou vínculo afetivo. Mas uma boa tradução precisa ter algumas coisas: paralelismo, consistência e contexto.

Um bom exemplo de contexto usado para o bem da tradução encontra-se no próprio Starcraft 2: Zergling virou Zergnídeo. Uma tradução perfeita. Afinal, Os Zergs são insectóides (e por isso, o sufixo ‘nídeo’ substitui com louvor o sufixo do Inglês ‘ling’). A tradução foi feita, e o contexto foi respeitado. A história e a consistência do Universo do jogo agradecem. Porém, o mesmo tratamento não foi dispensado ao pobre Baneling, que virou…. Tatu-bomba. Tatu-bomba, não. O paralelismo de terminologia foi quebrado (aqui o sufixo ‘ling’ não recebeu a tradução de ‘nídeo’), sem nenhum benefício aparente para tanto. O contexto histórico do jogo perde muito com um nome destes. Aqui, a opção foi por uma tradução estilo “Sessão da Tarde”. Dica para os tradutores de plantão: não subestimem a inteligência de seu público. Ainda mais uma comunidade aficionada como a de um Starcraft. A gente entende o que o Baneling faz. Não precisa desenhar. E a não ser em casos muito excepcionais, nomes de fenômenos culturais regionais (como ‘Banshee”, que nem Inglês é, e sim do Irlandês/Gaélico antigo, de Bean Sídhe) ficam como na grafia original. Não vale a pena mexer nestes vespeiros.

Traduzir jogos e qualquer tipo de produto cultural altamente especializado (como RPGs e certos quadrinhos) é uma tarefa MUITO difícil. Dar um trabalho destes para um ótimo tradutor de literatura não quer dizer que a tradução ficará boa. Este tradutor muito provavelmente irá pender para uma tradução literal, que certamente irá desagradar a quem mais importa: o consumidor daquele texto. É aquela velha história: você não iria dar um contrato de joint venture de empresas para ser traduzido por um tradutor de documentários da National Geographic, não é? Por quê será que o mesmo não ocorre para jogos e congêneres?

E, por favor, eu já vi muita coisa bizarra traduzida em jogos ou manuais dos mesmos. Nunca vou me esquecer do manual do Lands of Lore lançado no Brasil… era inacreditável. Você sabe o que é uma “Corrente dos Correios da Luz”? Não, não é um daqueles esquemas “envie esta mensagem para 7 pessoas ou morra”. É uma simples “Light Chain Mail”. O manual do Neverwinter Nights original também tinha uma derrapada épica. Afinal, imagine que perigo você, em dia de Parada do Orgulho Gay na Avenida Paulista, empunhando uma “Espada Bastarda +1 contra Transformistas”? O original era “+1 Bastard Sword against Shapeshifters”. De Shapeshifter para Transformista, vai uma pequena diferença, não é?

A triste verdade é que tradução é vista apenas como custo, e não como investimento. O profissional da área é sempre pago com valores pífios, tendo condições e prazos muito ruins. Isto, claro, quando um profissional é contratado, pois muita gente acha que basta saber um Inglês “enrolation” que qualquer um pode traduzir qualquer coisa. Ou, claro, coloca lá no Babelfish e divirta-se com o resultado surreal da tradução automática.

Neste momento, eu estou traduzindo o Rappelz para a gPotato brasileira. E apesar de não ter grandes problemas em manter o paralelismo e o clima do jogo, traduzir um conteúdo grande destes sem muito referencial é bastante complicado. Uma grande dificuldade é a diferença entre número e gênero entre o Português e o Inglês. O Inglês é maravilhoso neste aspecto. Afinal, um “Summoner” pode ser tanto masculino quanto feminino. Mas o Português “Invocador(a)” já exige a diferenciação. Outro problema aparece traduzindo NPCs com nome adjetivado. Afinal, o tal “Summoner Rudmyou” é homem ou mulher??? Descontextualizado, termos como este são armadilhas. Muitas vezes dá para logar no servidor americano e tirar a dúvida, mas em partes mais obscuras do jogo, isto nem sempre é possível.

Encadeamentos de adjetivos e sufixos mágicos para armas e equipamentos podem, às vezes, criar problemas curiosos. Vamos estabelecer um padrão, como Item + sufixo. Assim, se você tiver um item “Espada Longa” e um sufixo mágico para armas “Cruel”, criamos itens como “Espada Longa Cruel”, certo? Agora um item como “Espada do Dragão” e um sufixo “Leve”… perceberam onde vamos chegar? “Espada do Dragão Leve”. Afinal, quem é “Leve”, o Dragão ou a Espada? Neste caso, temos que romper com o paralelismo e forçar a associação, com “Espada Leve do Dragão”. Fazer isto para milhares de combinações de itens não é tarefa das mais simples.

Por isso, da próxima vez que você jogar algo em Português e não se sentir ofendido com o que estiver escrito na tela, lembre-se de agradecer ao tradutor que pensou em você na hora de localizar em Português o seu jogo preferido.

J.

Anúncios